segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Oldboy

Autor: Alan Caxito Ongaro

Nome: OLDBOY (OLDBOY) - 2003

Elenco: Min-sik Choi, Ji-tae Yu, Hye-jeong Kang, Dal-su Oh,
Dae-han Ji.

Diretor: Chan-wook Park
Trailer: Youtube

Dirigido pelo mestre do cinema Sul-Coreano: Chan-wook Park, Oldboy é baseado no mangá homônimo, e foi vencedor do Grande Prêmio do Jurí no Festival de Cannes em 2004, presidido na época por Quentin Tarantino (que já confessou ser o fã número 1 de Chan-wook Park). Oldboy é o segundo filme da "Trilogia da Vingança" criada pelo diretor sul-coreano, lançado após o excelente Sympathy for Mr. Vengeance (Mr. Vingança) e antecedendo o igualmente excelente Sympathy for Lady Vengeance (Lady Vingança).



Contando com cenas muito bem coreografadas de pancadaria pura, um elenco em plena forma, principalmente Min-sik Choi, e um roteiro poderoso muito bem executado, através de uma direção impecável, fotografia e um final surpreendente, Oldboy é sem sombra de dúvidas o melhor filme Sul-Coreano de todos os tempos!

O filme nos mostra a estória de Oh-dae Su (magistralmente interpretado por Min-sik Choi), e sua busca por vingança. Vemos o filme pela perspectiva da personagem Oh-dae Su nome que segundo o próprio significa: "aquele que convive bem com as pessoas". O filme começa com ele completamente bêbado e descontrolado na delegacia. Ao ser libertado pelo delegado, Oh-dae Su procura um telefone público e liga para casa para falar com sua filha e lhe dar os parabéns pois é o aniversário de três anos de idade dela. Após passar o telefone para um amigo, ele simplesmente desaparece!



Na cena seguinte ele acorda em um quarto onde há apenas uma televisão. Sem entender como ou por quê ele foi parar ali; lá ele permanece cativo durante 15 anos!. Sem ter nenhum contato com nenhum ser vivo. Um gás o faz dormir, enquanto lhe cortam o cabelo e limpam seu quarto. Durante sua estadia no cativeiro ele descobre em um noticiario da televisão que sua mulher foi assassinada e que ele é o principal suspeito apontado pelas evidências na cena do crime. Oh-dae Su então começa a escrever uma lista enorme de possíveis inimigos que lhe tenham trancafiado. Durante os longos 15 anos de confinamento ele observa diariamente um postêr que contém a seguinte frase: "Ria e o mundo rirá com você, chore e chorará sozinho." (filosofia essa adotada ao pé da letra por Oh-dae Su).

Numa sequência sensacional vemos ele contando os anos que passam e a tela dividida em dois, apresentando o que aconteceu no mundo durante esses 15 anos de cativeiro, como a queda das torres gêmeas e a excelente participação da Coréia do Sul na Copa do Mundo da FIFA. Após passar 15 anos cativo ele é submetido à uma sessão de hipnóse, ao término ele acorda dentro de uma mala com seus pertences, em cima de um terraço de um prédio, bem vestido e na presença de outro ser-humano (um suicida que está sentado na beira do terraço, pronto para pular).

Mais uma cena expetacular em que Oh-dae Su cheira e toca descontroladamente no homem e mantém uma conversa que define-se em apenas repetir o que o mesmo lhe diz. Após aparentemente salvar o suicida, ele lhe conta sua estória de 15 anos de cativeiro, e simplesmente sai andando enquanto o suicida tenta lhe contar a sua triste estória de vida que lhe fez querer se suicidar. Ao sair do prédio vemos Oh-dae Su em primeiro plano e o suicida despencando em cima de um carro. Então ele põe em pática sua nova filosofia abrindo um sinistro sorriso, rindo de sua frase predileta.



A seguir vemos mais uma cena sensacional onde ele se indaga se será possível colocar em prática seu treinamente de artes marciais de 15 anos. E para infelicidade de uma gangue de rua ele consegue!. Logo após a pancadaria Oh-dae Su encontra um mendigo que lhe entrega um celular e uma carteira. Ele recebe uma ligação e fala o nome de todos seus inimigos afim de tentar acertar o nome do seu agressor, o homem na outra linha apenas lhe diz não ser nenhum deles, e afirma ser apenas um "pesquisador" um pesquisador de Oh-dae Su.

Ele desliga após lançar a frase: "Seja grão de areia, seja pedra, ambos afundam na água". Após encerrar a ligação acontece uma das melhores cenas de todo o filme, Oh-dae Su encontra-se com a Chef de cozinha Mido (interpretada pela ótima Hye-jeong Kang) e faz um pedido um tanto quanto peculiar: "Quero algo vivo" e o que segue-se é uma cena extremamente sensacional em que um polvo inteiro é mastigado e engolido vivo por Oh-dae Su!

Ao término de sua refeição ele é tocado na mão por Mido e simplesmente desmaia. Ao acordar ele encontra-se repousando na casa dela, e percebe que desmaiou pro falta de vitaminas por passar todoo tempo que passou sem ver a luz do Sol. Em seguida acontece outra cena hilária em que Oh-dae Su se indaga se é possível colocar em prática seu treinamento sexual durante esses 15 anos cativo. E descobre que ao contrário de descer porrada em um bando de bandidos, abusar de uma garota não é para ele. Ajudado por Mido ele parte então atrás de sua melhor dica: encontrar o restaurante que serve os bolinhos que ele comeu durante os 15 anos de cativeiro. Após rodar por dezenas de restaurantes ele finalmente encontra aquele que serve seu bolinho preferido dos últimos 15 anos!. Então munido de um martelo ele segue o motoboy e descobre o lugar de seu cativeiro.



Agora ele busca pela única coisa que lhe faz sentido: Vingança!

Nota: 10.00/10.00

2 comentários:

CINEMA FOR ALL!!!!!!! disse...

Old Boy é uma obra-prima.
Aquele final é supreendente demais!!!!
Ótima resenha.
Abraço!

Alan Ongaro disse...

E ae Ibertson!

Valeu por visitar o blog e deixar um comentário! Sem dúvidas Oldboy é uma obra-prima, e o final é um caso à parte mesmo...