sábado, 15 de dezembro de 2007

Barking Dogs Never Bite

Essa resenha é cortesia do blog:
http://cinema-para-todos.blogspot.com

Nome: BARKING DOGS NEVER BITE - 2000

Elenco: Sung-jae Lee, Du-na Bae, Hie-bong Byeon

Diretor: Joon-ho Bong

O primeiro filme dirigido por Joon-ho Bong, que ganhou destaque com o filme Memories of Murder (Memórias de um Assassino), lançado em versão caprichada, dupla, pela Europa Filmes e que dirigiu o fenômeno coreano The Host (O Hospedeiro), lançado recentemente nas locadoras, que teve uma enorme bilheteria na Coréia e projetou o nome de Joon-ho Bong como um dos grandes diretores coreanos, juntamente com Park Chan-wook e Kim-ki Duk, que são os mais conhecidos, vindo um pouco mais atrás (Em questão de fama, pois seus filmes estão no mesmo patamar que os dos citados acima) o diretor Ji-woon Kim, diretor dos interessantíssimos A Tale of Two Sisters (Medo), lançado recentemente em versão dupla, caprichada, pela Europa Filmes, distribuidora que está dando uma grande atenção ao cinema oriental) e A Bittersweet Life (O Gosto da Vingança).



O filme em questão, inédito no Brasil, para variar, é o Barking Dogs Never Bite, que teria a tradução literal "Cão que ladra não morde", uma comédia de humor negro muito interessante e divertida. Yun-ju (Interpretado por Sung-jae Lee), é um professor universitário desempregado, que vive uma situação financeira difícil e procura arrumar alguma grana para tentar subornar o reitor da universidade para aceitá-lo na entidade, mais precisamente, uma quantia de 10 milhões de wons (Moeda sul-coreana), informação esta dada por um amigo. Para piorar, sua esposa está grávida e ela que o sustenta. Mas não é só isso: Morando em apartamento, local não muito apropriado para se criar animais de estimação, Yun-ju odeia cães e está com os nervos à flor da pele com os latidos de um cachorrinho de algum vizinho.

Um certo dia, Yun-ju encontra seu inimigo: Um pequeno cachorrinho indefeso. A partir daí, ele vai tentar dar cabo do nosso amiguinho. Primeiramente, carrega o animal para o topo do apartamento e tenta jogá-lo abaixo, porém uma senhora aparece na hora, colocando alguns rabanetes para secar ao sol, acabando com seus planos. Plano B: Vai para outra seção do apartamento e tenta estrangular o cãozinho utilizando sua coleira, passando-a por cima de um tubo no teto e puxando, erguendo o animal ao ar. Yun-ju desiste da idéia. Plano C: Joga o cachorrinho dentro de um armário velho nessa área e tranca a porta para ninguém encontrá-lo. Esta última idéia é a utilizada e então Yun-ju volta para seu quarto. Porém, ele não imagina que isso será apenas o começo e mais confusões virão pela frente, para azar do pobre indivíduo.



Como se pôde ver, o filme possui um personagem principal que de início poderemos sentir antipatia por ele, mas com o desenrolar da história, sentimos até empatia com o sujeito, apesar de seu ódio e das formas brutais de maus tratos aos cachorrinhos. Esclarecem logo no início do filme com a seguinte frase: "Os cães apresentados nesse filme foram cuidadosamente supervisionados por seus proprietários e médicos veterinários." Portanto, o que acontece no filme é absolutamente encenado e não corresponde à realidade, onde os animais não sofrem maus tratos, apesar de parecer. Outro detalhe interessante, e bizarro, é que os cães na Coréia, são utilizados na culinária por algumas pessoas, apesar de tal prática ser proibida.

A base da história é essa que, como falei, irão surgir diversos eventos e personagens, como a ingênua e desastrada Hyeon-nam (Interpretada por Du-na Bae) que também atua no outro filme do diretor, The Host (O Hospedeiro) que trabalha como assistente no escritório de administração dos apartamentos e sonha em aparecer na TV, nem que seja capturando um ladrão, se espelhando em uma garota que fez isso e ganhou destaque em um jornal televisivo. Outros personagens merecem destaque: O zelador do hotel (Interpretado por Hie-bong Byeon), também presente no filme O Hospedeiro, que possui uma forma bastante peculiar de cozinhar, a amiga de Hyeon-nam, que trabalha em um mercantil e que vive fumando, comendo ou no ócio e um mendigo que vive secretamente no apartamento.



O diretor já mostra em seu debut que é extremamente competente, nos presenteando com uma divertida história de humor negro. As atuações do filme estão ótimas e o trabalho na direção é esplendoroso, com diversas tomadas difíceis e profissionais. A trilha sonora, um jazz que toca durante quase todo o filme, é bem legal. O filme pode conter algumas cenas desagradáveis para pessoas mais sensíveis ou para adoradores de cachorros, mas até elas gostarão do filme, devido a sua história bastante original.

Enfim, concluindo, trata-se de mais um grande exemplar do cinema coreano, que infelizmente não recebe o tratamento que merece em nosso país e serve para observarmos o talento do diretor Joon-ho Bong, que é uma grande promessa, dirigindo atualmente o filme Tôkyô, previsto para 2008, mais precisamente o segmento Shaking Tokyo, já que conterá três segmentos, os outros dois dirigidos por Leos Carax e Michel Gondry, este último diretor do recente filme The Science of Sleep e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças. Barking Dogs Never Bite é inferior aos outros filmes do diretor, mas altamente recomendado.



Nota: 08.00/10.00
(Cinema Para Todos)
Nota: 08.00/10.00 (Korean Movies)

Nenhum comentário: